Aluno Menu

Imprensa

Terça-feira, 29 de Janeiro de 2019 - 08:40

Eficácia dos pontos SHU MO no tratamento da Diabetes Mellitus tipo 2

Artigo baseado no TCC para conclusão de curso de pós-graduação em Acupuntura das alunas Cláudia

Esse artigo se refere a um estudo de caso e visa demonstrar os resultados através da aplicação dos pontos Shu e Mo em paciente com quadro diagnosticado ocidentalmente como Diabetes tipo 2, permitindo avanços significativos aos profissionais e estudantes da Medicina Tradicional Chinesa e, consequentemente, a satisfação dos pacientes que buscam uma opção de tratamento, oferecendo um panorama sobre os benefícios secundários ou adversidades decorrentes do uso dessa seleção de pontos nesse contexto. 

Para a medicina ocidental, o Diabetes Mellitus é uma doença agregada ao Pâncreas, órgão que participa do processo de digestão, responsável pelas funções exócrinas e endócrinas. Dessa forma, o pâncreas produz os sucos digestivos (função exócrina), e a insulina que responde pela manutenção dos níveis de glicose no plasma sanguíneo (função endócrina), que frequentemente em excesso caracteriza a DM.

Os fatores de risco para o desenvolvimento desse quadro são a herança genética e as circunstâncias ambientais, devendo também considerar outros fatores como a obesidade, traumas emocionais, gravidez e ocorrências de infecções. O Diabetes é dividido em duas classificações, sendo que o tipo 1 representa uma condição crônica de saúde mais habitual em crianças e adolescentes, ocasionada pela deficiência na produção de insulina pelo pâncreas, que procede na diminuição ou alteração desse hormônio, modificando os níveis de glicose na corrente sanguínea, enfim gerando o quadro patológico. Os principais sintomas dessa doença são a fadiga, sede e fome intensa, perda de peso, micção frequente e cansaço. Já o Diabetes Mellitus do tipo 2 é a patologia que foi estudada nesse trabalho, e se caracteriza pela persistência da hiperglicemia, que pode ser causada pelos defeitos em sua secreção ou na própria ação da insulina, ou ambos. O diagnóstico utilizado no Ocidente é identificado por meio de exames laboratoriais e considera paciente diabético aquele que apresenta a hemoglobina glicada maior ou igual a 6,5%, e a glicemia em jejum maior ou equivalente a 126 mg/dL.

 A evolução da DM inclui várias disfunções, sendo comum o acometimento dos rins, coração, consequentemente a circulação sanguínea, olhos e sistema nervoso periférico.

Os tratamentos medicamentosos convencionais geralmente efetuados em países do Ocidente incluem a ingestão diária da metformina, princípio ativo mais indicado para os pacientes não insulinodependentes, em forma de comprimido, permitindo a escolha médica sobre a dosagem e a concentração em miligramas (mg) de acordo com o quadro de cada paciente. Age especificamente no fígado e na musculatura esquelética, ocasionando a estimulação da glicogênese e aumento da captação de glicose nos tecidos periféricos, tendo como consequência a redução desse hormônio no sistema circulatório. Juntamente com uma dieta equilibrada e a prática diária de exercícios, seus efeitos são promissores.

Segundo a Medicina Tradicional Chinesa o Baço-pâncreas é o principal órgão encarregado pela origem dessa patologia tanto na medicina ocidental quanto na oriental. Para os conceitos da MTC, o Baço-pâncreas tem como função energética primordial o controle das atividades de digestão, sendo responsável pela transformação e transporte da essência adquirida através dos alimentos consumidos ao longo do dia.  Também exerce função sobre os vasos sanguíneos e promove a nutrição dos quatro membros. Por isso, os distúrbios desse órgão referem-se aos processos digestivos, ao paladar, circulação sanguínea e aos membros. A funcionalidade do Baço-pâncreas é diretamente afetada por fatores psicoemocionais, nesse caso o ato de permanecer pensativo, se preocupar ou refletir demais, sendo este estado exposto por inúmeros depoentes diagnosticados com a DM tipo 2, permitindo identificar essa condição mental como um forte requisito para o desencadeamento da doença.

A acupuntura não é indicada como tratamento único para a doença, pois a célula responsável por secretar a insulina é reduzida em 50% após seis anos com o quadro diagnosticado, mas pode ser uma boa aliada ao tratamento convencional, reduzindo o índice de glicemia e hemoglobina glicada, dado que obtiveram respostas significativas em menos de dois meses de análises. Também vale ressaltar que os cuidados com relação à dieta adequada e o hábito de exercícios físicos diários são indispensáveis para garantir esses bons resultados.

Estudo de caso: Mulher, 70 anos, não insulinodependente, faz ingestão diária da Metformina (nome comercial: Glifage) para o Diabetes tipo 2 sob orientação médica há aproximadamente vinte anos, sem nenhum sucesso em seu tratamento acompanhado nesse longo período desde a descoberta dessa disfunção metabólica em seu organismo.

Queixas secundárias de origem mais recente: coceira no corpo, visão diminuída, fraqueza e cansaço. A voluntária relata que não segue uma dieta rigorosa para controle da patologia em questão, nem pratica atividades físicas diárias, que são as principais recomendações médicas para o controle dos níveis glicêmicos, mantendo-se ocupada o dia todo com as atividades de casa e com a família (filhos e netos), viúva há pouco mais de seis anos. Quando questionamos sobre o sentimento ou a emoção predominante em seu dia-a-dia, a resposta primordial da paciente foi a preocupação excessiva. 

Diagnóstico Energético da MTC: através da língua da paciente, nota-se a presença de umidade, fissuras horizontais centralizadas, cor mais escurecida na raiz da língua, tratando-se de uma língua pálida com formato levemente edemaciado, demonstrando saburra fina e branca localizada no centro. Segundo a MTC, o diagnóstico energético segue como uma patologia caracterizada como interna (crônica), a fissura na língua indica deficiência de yin Qi do Baço/pâncreas (Aquecedor Médio) com frio interno, principalmente no Rim (Aquecedor Inferior). A deficiência de Yin Qi é a consequência do ciclo formado pela elevação da densidade e estagnação dessa energia, ocasionando também a umidade e mucosidade, sendo identificado pela língua edemaciada, com fissura ou denteamento em seu contorno. Já o frio no BP é ocasionado da deficiência de Yang Qi disponibilizados pelos alimentos e pelo aspecto emocional, representado pela língua pálida com saburra branca centralizada. Ao confirmar o diagnóstico utilizando os conceitos da pulsologia, a localização do BP também apresentou alteração, caracterizando-se no momento da inspeção como: fraco, vazio, profundo e lento.

Proposta Terapêutica: Os pontos utilizados foram: B20 e F13, sendo estes respectivamente denominados de Shu e Mo do Baço, com o objetivo de equilibrar as funções desse órgão, que é o responsável pelo desenvolvimento da enfermidade estudada.

Indicações mais enfatizadas para o ponto B20 (Shu de Baço): distúrbios gastrointestinais, esgotamento físico e mental crônicos, atrofia muscular, visceroptose, edemas e inchaços, sensação de peso no corpo, anemias e hemorragias. Isso porque sua função está voltada para o fortalecimento do Qi e Yang do Baço, aumentando ou regulando a energia Qi, transformação da umidade patológica, manutenção e nutrição do sangue (xue), sendo então o ponto primordial para fortalecimento em casos de síndromes de insuficiência do Baço.

Indicações do ponto F13 (Mo de Baço): doenças gastrointestinais, dores no hipocôndrio ou região lateral do tórax, problemas no quadril ou na lombar. Seus efeitos estão relacionados à harmonização do fígado e do baço-pâncreas, regulando e fortalecendo o Qi do baço, além de tornar permeável o canal de energia circulante, sendo inclusive o ponto mestre dos órgãos.

Para o atendimento foram utilizadas agulhas descartáveis 0,20x15mm, da marca Dong Bang nos pontos B20 e F13 bilateralmente, no sentido de harmonização (perpendicular à pele), permanecendo em estímulo por no mínimo vinte minutos, uma vez durante a semana.

RESULTADOS: Para a confirmação da evolução houve o acompanhamento através dos exames laboratoriais realizados antes de iniciar a aplicação semanal das agulhas e após sete meses de tratamento sem intervalos. Nos exames laboratoriais de fevereiro de 2017, a hemoglobina glicada teve como resultado 12,4% (valor de referência menor que 5,7%) e a glicemia média estimada 309,2 mg/dL. Em setembro do mesmo ano, a hemoglobina glicada foi de 9,4%, e a glicemia média estimada, 223,1 mg/dL. Os exames de confirmação foram elaborados no mesmo laboratório de análises clínicas, com a paciente em jejum, com os mesmos hábitos diários, apenas em datas diferentes a fim de confirmar a evolução do tratamento proposto para o desenvolvimento deste trabalho.

Embora os resultados obtidos após sete meses de tratamento contínuo não estejam inseridos no valor de referência, que seria inferior a 5,7% para a hemoglobina glicada, deve-se considerar o progresso do tratamento para diabetes mellitus do tipo 2 baseado na categoria de pontos Shu Mo, pois a evolução do paciente foi notável, sendo comprovado esse benefício inclusive pelos exames clínicos realizados após tal período, já que foi obtido um valor menos elevado, aproximando-se do referencial.

Houve um decréscimo aceitável através dos exames laboratoriais de acompanhamento, e mesmo que esses valores ainda não estejam dentro do estimável, tal resultado foi significativo para a satisfação do trabalho, mostrando o potencial de ação terapêutica desses pontos selecionados para amenizar os sintomas do Diabetes Mellitus do tipo 2.

AUTORA: Carla Ceppo

Deixe seu Recado