Aluno Menu

Imprensa

Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2019 - 08:36

Eficácia da Técnica Shu Antigo na DTM e Cervicalgia

Artigo baseado no TCC das alunas: Amanda Munhoz e Valdirene F.S.R. Santos

A Disfunção Temporo Mandibular (DTM) é definida pela medicina ocidental como uma coleção de condições orofaciais, associadas com anormalidades do sistema estomatognático, que desencadeiam alterações na Articulação Temporo Mandibular (ATM) e estruturas adjacentes, incluindo os músculos faciais e cervicais. Devido à relação existente entre os músculos da cabeça e da cervical e o sistema estomatognático, foram feitos estudos que confirmaram que alterações posturais da cabeça e de toda coluna vertebral poderiam levar a um processo de desvantagem biomecânica da ATM, levando a um quadro de Disfunção Temporo Mandibular (DTM). A ATM está diretamente relacionada à região cervical e escapular por meio das cadeias musculares, portanto alterações posturais da coluna, podem acarretar em DTM e vice-versa. Dores na face, na Articulação Temporo Mandibular (ATM) e/ou músculos mastigatórios, dores na cabeça e orelha, manifestações otológicas como zumbido, plenitude auricular e vertigens são os sintomas mais frequentes relatados pelos pacientes. Sendo os principais: sensibilidade da ATM e músculos à palpação, limitação e/ou incoordenação de mandibulares e ruídos articulares.

 A acupuntura é indicada no tratamento da DTM com ações locais, baseada nos mecanismos de redução da dor, propriedades anti-inflamatórias e nas ações sistêmicas, considerando o reequilíbrio energético como um todo. Para a MTC as articulações são mais que uma entidade anatômica, elas apresentam uma função importante em relação à circulação do Qi e do XUE. São nelas os locais onde o Qi e o XUE se encontram, sendo também o local onde o Qi percorre do interior para o exterior ou ao inverso.

A cervicalgia é a dor ao nível da coluna cervical alta, incluindo a nucalgia (cefaleia da nuca). A cervicalgia pode ser devido à degeneração do disco cervical, desgastes das articulações cervicais, que desenvolvem a partir uma combinação que podem ser hereditárias constitucionais e ambientais. É uma síndrome caracterizada por dor e rigidez transitória na região da coluna cervical. Além de dor na região cervical e nuca, a cervicalgia comumente está associada a outros sintomas como zumbido, tontura, rigidez dos músculos adjacentes e cefaleia tensional. A causa mais comum para dor ou rigidez no pescoço é a invasão de vento e retenção de umidade nos músculos do pescoço, portanto é considerado um tipo de Síndrome de Obstrução Dolorosa. É muito comum nos climas frios e úmidos e varia com o tempo. A invasão de Vento Frio externo provoca rigidez aguda no pescoço com todos os outros sintomas característicos de invasões externas como início súbito, aversão ao frio e espirros. As dores na região cervical podem vir acompanhadas com ou sem irradiação para diversas regiões, como nuca, occipital, vertex, região dorsal, ao longo da coluna vertebral ou mesmo para o ombro ou membro superior. É comum que as queixas de DTM estejam associadas à cervicalgia, ou vice e versa.

Esse estudo de caso visou comprovar a eficácia da técnica de acupuntura sistêmica Shu Antigo sobre a DTM e Cervicalgia. O paciente convidado, era do sexo masculino, 43 anos de idade, que há 5 (cinco) anos queixa-se de cervicalgia e dores na região temporomandibular. Foram levados em consideração os exames de imagem, avaliação clínica energética e anamnese.

A técnica de pontos Shu Antigo é utilizada na acupuntura sistêmica e visa o equilíbrio energético através de pontos combinados localizados nas extremidades dos membros superiores e inferiores, entre os dedos das mãos e os cotovelos ou entre os dedos dos pés e os joelhos. Cada ponto Shu Antigo está diretamente relacionado a um dos cinco elementos da MTC. Essa técnica de acupuntura é altamente eficaz e não deve ser associada a nenhuma outra técnica, mesmo pontos extras ou pontos de ação energética isolada. Os pontos Shu Antigo são indicados para tonificação ou sedação dos ZANG FU, nas afecções energéticas, funcionais, orgânicas e mais efetivas para síndromes de interior.

O paciente do presente estudo foi submetido ao tratamento de acupuntura, quando já estava numa fase crítica de dor e optou por associar alguns tratamentos ocidentais, focados na analgesia. Quando o paciente procurou o tratamento de acupuntura já estava realizando Reeducação Postural Global (RPG), duas sessões por semana, e manteve até o término do tratamento com acupuntura. A outra técnica foi a quiropraxia, associada até o décimo dia do tratamento com acupuntura. Considerando todas as queixas primárias e secundárias como: Cefaleia temporal esquerda, Disfunção Temporo Mandibular associada ao bruxismo, contratura do trapézio e cervicalgia, zumbido, eczema facial, rinite e déficit de energia, contudo, concluiu-se o diagnóstico energético de deficiência do YIN do Rim, com sintomas de deficiência de Pulmão.

Foram realizadas 20 (vinte) sessões de acupuntura com a técnica Shu Antigo, com intervalo mínimo de dois dias entre as sessões e máximo de dez dias, dependendo da disponibilidade do paciente. A técnica selecionada foi Shu Antigo, ciclo de geração com dois pontos. Os pontos utilizados foram: R7 + P8 bilateralmente em tonificação, portanto os ZANGs Rim e Pulmão foram beneficiados.

CONCLUSÃO: Ao término do tratamento observou-se uma resposta positiva quanto à técnica Shu Antigo utilizando os pontos R7 e P8 bilateralmente em tonificação. O R7 tem excelente função quanto a tonificação do Rim, resolvendo umidade e abrindo a via das águas no aquecedor inferior e o P8 promovendo a descida do Qi para o Pulmão. Houve uma positiva e moderada melhora da dor, com resultado estatisticamente significativo, apresentando consequências emocionais positivas e repercussão direta na qualidade de vida.

Autora Carla Ceppo

Deixe seu Recado