Pós-Graduação em Acupuntura

O mais completo do Brasil

Imprensa

Quarta-feira, 24 de Abril de 2019 - 14:01 - Atualizado em 24/04/2019 14:22

Eficácia da Auriculoterapia no Tratamento de Disfunção Temporomandibular Associada à Lesão por Esforço Repetitivo: Caso Clínico

Artigo baseado no TCC da pós-graduação em Acupuntura CETN, da aluna Leila Maria S. L. Monteiro.

A DTM é uma síndrome que envolve vários sintomas locais e adjacentes, como limitação de movimentação articular, estalidos na Articulação Temporomandibular (ATM), dor na articulação e em músculos adjacentes, irradiação da dor para os ombros e cervical, etc., a origem pode ser por um trauma ou hiperatividade muscular. A dor normalmente acomete a área pré-auricular. Toda essa sintomatologia causada pela DTM pode interferir não só na saúde física, mas também na emocional do paciente. A LER, ou atualmente conhecida como DORT, é caracterizada como um distúrbio musculoesquelético que se origina de movimentos repetitivos em excesso e posturas repetitivas não naturais, adotados durante a ocupação do indivíduo e que causam um desequilíbrio no organismo de forma geral. Existem sintomas comuns entre LER/DORT em membros superiores e DTM, pois as mesmas causam alterações no sistema musculoesquelético e estão relacionadas ao estresse e à postura.

Na visão da MTC há uma inter-relação entre a DTM e a LER/DORT baseada nos princípios de que estas síndromes estão ligadas a desequilíbrios energéticos nos meridianos da acupuntura. Na MTC a dor é interpretada por uma estagnação de Qi e/ou Xue nos meridianos. A auriculoterapia é um método terapêutico que se utiliza de estímulos no pavilhão auricular de pontos específicos, com o objetivo de promover uma homeostase psicossomática e regulação energética nos meridianos de acupuntura, também é utilizada como método de diagnóstico. Vários trabalhos foram feitos para constatar que existe uma estreita relação entre a estimulação de certos pontos auriculares e os canais colaterais da Acupuntura que fazem a ligação da orelha com o corpo.

A ideia de relacionar a DTM à LER/DORT veio da observância do trajeto do tendinomuscular Tai Yang da mão e Shao Yang da mão, que passam pelo pavilhão auricular e pelo trajeto de dor descrito pela paciente desde as mãos até a ATM e musculaturas envolvidas. E, portanto, procurar a utilização de pontos auriculares que abranjam as estruturas envolvidas. Essa ideia também está embasada nos pontos em comum entre as duas síndromes, DTM e LER/DORT.

ANAMNESE: Mulher, 28  anos, relatou como queixa principal, crises de DTM crônicas e recentes, que afetavam o lado direito com dor tipo irradiada na região da ATM direita, envolvendo os músculos masseter, temporal, pterigoideo lateral, esternocleidomastoideo e toda a área do pescoço (face direita), que durante a TPM se generalizava pela cabeça em forma de pressão. As dores eram provocadas pela mastigação, abertura de boca durante o bocejo, e o pior horário da dor e limitação era ao acordar e no desjejum. Piora com movimento e pressão (estagnação de Qi). Apresentava uma limitação da boca com desvio para a direita no movimento de abertura e fechamento. O exame da língua apresentou coloração rosa normal, com lateral mais avermelhada. Foi feita palpação dos músculos da mastigação, pescoço, escápula, braço, antebraço, punho e mãos, área cervical e ATM. Foram encontrados pontos doloridos tanto intraorais quanto extraorais nas referidas áreas somente no lado direito da paciente. 

Queixa secundária: dor nas mãos, ombro, cotovelo e cervical principalmente quando trabalha muito com as mãos. Também relata ansiedade com dor de estômago, irritabilidade na TPM. O intestino funciona todos os dias geralmente entre 8h e 8h30. Apresenta dor de cabeça no primeiro dia do ciclo menstrual, ciclo de 28 dias, regulado, dura em média cinco dias, sem cólica.

Inspeção da orelha: Manchas e região de localização: de cor vermelha escura na fossa triangular da orelha direita, na escafa, na área de cotovelo, ombro, punho e mãos e de cor branco na raiz do hélix da orelha esquerda; Descamação (localização): fossa triangular, escafa na área de cotovelo, ombro, punho e mãos, lóbulo área da face, na orelha direita; Vasos dilatados (localização): fossa triangular orelha direita, escafa na área de cotovelo, ombro, punho e mãos; Cistos e nódulos: presença de cordões no anti hélix região correspondente à cervical; Pontos dolorosos: Na orelha direita, nas áreas de Fígado, Shenmem, mãos, punho, cotovelo, ombro, Hélix 4, área da face e maxilar. E na orelha esquerda, ombro, maxilar, área da face e estômago.

O pavilhão auricular foi observado e feita a palpação com o palpador de pressão, bem como a avaliação da evolução do caso pela anamnese, ambos realizados semanalmente. Foram utilizadas agulhas filiformes deixadas nos pontos escolhidos para a sessão em questão (conforme a evolução do caso) durante 20 minutos em uma orelha (antes da aplicação das agulhas foi feita limpeza do pavilhão auricular utilizando álcool 70) e a paciente foi embora para casa com a aplicação de sementes e/ou esferas de cristais, de forma complementar, nos pontos escolhidos, mantidos por micropore por seis dias e ativados pela paciente três vezes ao dia. A paciente foi orientada a remover as esferas e as sementes 24 horas antes da próxima consulta, ou seja, após seis dias da colocação a fim de dar um descanso de 24 horas para a orelha. A avaliação semanal da evolução do caso foi feita utilizando a régua de medida de dor, num total de dez sessões.

Exame do pavilhão auricular direito: a fossa triangular apresentou uma cor mais avermelhada, com uma pequena área de descamação da pele, sugerindo caráter crônico da doença em estado de recidiva, e alguns vasos sanguíneos em evidência. A mesma característica foi observada na escafa, na área de cotovelo, mãos, punhos e ombros. Pontos de descamação no lóbulo, na área correspondente à área da face. Pontos dolorosos à palpação com apalpador de pressão nas áreas de Fígado, Shenmen, Mãos, Punho, Cotovelo, Ombro, Hélix 4, Área da face e Maxilar, presença de cordões na área do anti-hélix região cervical.

Exame do pavilhão auricular esquerdo: a fossa triangular apresentou cor avermelhada, porém não tanto quanto a direita, a área do Estômago com ponto avermelhado nas imediações e área esbranquiçada no centro, dor à palpação nos pontos ombro, maxilar e área da face. 

PROTOCOLO AURICULAR: escolhidos pela observação das alterações morfológicas do pavilhão auricular e da dor à palpação com apalpador de pressão.

Shen men: localiza-se na fossa triangular na porção mais superior da mesma. Significa “mente, espírito” em chinês. É utilizado para acalmar a mente e revigorar o coração, na acupuntura sistêmica é o ponto C7, cuja localização é a porção superior do ápice da fossa triangular. Tem funções analgésicas, sedativas e antiinflamatórias, principalmente quando combinado com os pontos da área correspondente (é um ponto de comando), também acalma a mente, algias, ansiedade e desordens mentais, harmoniza o fígado, é indicado para todos os casos de excesso. Deve ser estimulado com punção profunda, pois ele provoca no córtex cerebral uma descarga de hormônios naturais.

Maxilar inferior: localiza-se na zona três do lóbulo, bem no centro da linha superior. Indicado para nevralgia do trigêmeo, DTM, bruxismo, trismo, odontalgias e exodontias.

Articulação do ombro: localiza-se na escafa, no nível da região cervical entre o ponto clavícula e o ponto ombro. Utilizado para periartrite do ombro, tendinite, cervicobraquialgia, luxação, bursite, algias locais, LER/DORT em membros superiores.

Estômago: localiza-se onde inicia a raiz do hélix. Utilizado para estomatite, afta, gastrite, úlcera gástrica, gastralgia, gastroptose, náuseas, vômitos, nevralgia do trigêmeo, insônia, depressão, cefaleia frontal, síndromes psicovegetativas, também está ligado aos dentes, porque o meridiano do estômago começa no rosto.

Fígado: localiza-se na concha cimba, acima da raiz do hélix na orelha direita. Desobstrui os canais e acalma a dor, está ligado a desordens por vento interno, indicado para afecções causadas por vícios, nevralgias intercostais, tendinopatia, paralisias, tremores, entorses, doenças dos olhos, cólicas menstruais, cefaleias, estresse, disfunções osteomioarticulares, ginecológicas, digestivas, irritabilidade, depressão.

Hélix 4: localiza-se no Hélix, tem funções anti-inflamatórias, é indicado para cervicalgia, cervicobraquialgia, periartrite do ombro, cefaleia occiptal, odontalgia, ATM, vícios.

Mão ou falanges: localiza-se na região superior da fossa escafoide, utilizado para hiperidrose nas mãos, artrite reumatoide, dedo em gatilho, paresia dos dedos, tendinose, algias, falângeas, cãibras.

Punho: localiza-se na fossa escafoide abaixo do ponto mão, está indicado para nevralgias do trigêmeo e cefaleias tensionais. Utilizado para paralisia, parestesia, síndrome do túnel do carpo, artrose, artrite reumatoide, luxações e fraturas do punho, tendinose, tenossinovite.

Área da bochecha ou da face: engloba uma área que inclui parte das zonas 3, 5 e 6 do lóbulo, na forma de ovo na posição oblíqua. É utilizado para paralisia facial, nevralgia do trigêmeo, tiques faciais, espasmos dos músculos da face.

A associação dos pontos Shen men, Fígado, Estômago e zona correspondente (no caso área da bochecha, articulação do ombro, mão, punho e maxilar inferior) foi utilizado por se tratar de dor produzida por lesão dos tecidos moles, pois segundo a teoria da MTC dos Zang Fu, o Fígado é responsável por nutrir os tendões e ligamentos (queixa principal da paciente) e assim ativaria a circulação do Qi e Xue para liberar estagnação no trajeto mencionado. O Estômago é responsável por nutrir o Xue que será transportado pelo Fígado até os tendões. Sendo o Shenmen, no caso, o principal ponto de analgesia, os pontos da zona correspondente no caso de dor é o primeiro a se selecionar e são localizados com o apalpador de pressão. Como ponto secundário de analgesia, temos o Hélix que mostrou nível maior de dor na altura do Hélix 4. O ponto Maxilar inferior está indicado para LER assim como os pontos Hélix 4, Ombro e Shenmen.

RESULTADOS: Após as 10 sessões, houve melhora significativa dos sintomas dolorosos entre a quarta e a quinta sessões, período no qual foram acrescidos os pontos mão e punho, baseado na observação de pontos avermelhados e dolorosos nas áreas do pavilhão auricular direito, correspondentes às áreas de mão e punho e também baseado nos trajetos dos meridianos tendino-musculares Tai Yang da mão e Shao Yang da mão, que passam pelo pavilhão auricular e pelo trajeto de dor referida pela paciente, desde as mãos até a ATM e musculaturas envolvidas, tentando abranger a DTM e a LER/DORT num mesmo tratamento auricular. Há uma associação entre os Zang Fu e a circulação energética (Qi) nos trajetos dos meridianos tendino-musculares, porque houve uma melhora dos sintomas dolorosos após a utilização do ponto Estômago na terceira consulta e do ponto Fígado na sexta consulta.  

CONCLUSÃO: Neste caso clínico, onde houve uma associação entre o trabalho da paciente (LER/DORT) e a DTM à visão da MTC, devido a uma obstrução de energia no trajeto dos meridianos do TAI YANG e SHAO YANG;  quando introduzidos os pontos auriculares, que tratam a LER/DORT (mão, punho, articulação do ombro) houve uma melhora significativa da sintomatologia da DTM. Também os pontos auriculares dos Zang Fu, Fígado e Estômago são pontos importantes quando se trata de casos em que há um comprometimento de tendões e músculos. Com isto, o grupo de pontos escolhidos, seguindo a cartografia chinesa, para o tratamento com auriculoterapia, correspondeu às expectativas, e podem ser uma alternativa para tratamento dos sintomas dolorosos da DTM, principalmente quando ela estiver relacionada à LER/DORT.  

Autora do Artigo: Carla Ceppo.

Deixe seu Recado