Pós-Graduação em Acupuntura

O mais completo do Brasil

Imprensa

Terça-feira, 22 de Outubro de 2019 - 09:06 - Atualizado em 22/10/2019 10:14

Avaliação dos efeitos da prática de QIGONG utilizando o sistema RYODORAKU

Artigo elaborado por Carla Ceppo, baseado no TCC do aluno Marcelo Delmanto.

Na Medicina Tradicional Chinesa as doenças tem origem em desequilíbrios no fluxo de energia vital (Chi ou Qì) em nosso organismo. Esses desequilíbrios do QI se caracterizam como deficiência, estagnação, excesso ou rebeldia e são causados por fatores externos (Xie Qì ou QI perverso: Frio, calor, secura, umidade, vento, fogo), fatores internos (tensões emocionais) e fatores variados (hábitos, postura, alimentação, condições sociais e de trabalho, hereditariedade, traumas, excesso de atividade física e sexual).  Sendo assim, os tratamentos visam promover o correto fluxo de Qì pelo corpo, além de melhorar sua produção e armazenagem. Na Medicina Tradicional Chinesa (MTC) existem técnicas de auto-cura e as técnicas de intervenção médica. Técnicas de auto-cura, são consideradas mais importantes por seu propósito preventivo e exigem a participação ativa da pessoa na recuperação ou manutenção de sua saúde, são elas: Meditação, Qì Gong, Tai Chi Chuan, Dietoterapia e Feng Shui. As técnicas de intervenção médica são utilizadas em casos onde há patologias ou desarmonias instaladas, são elas: Fitoterapia, Moxabustão, Ventosaterapia, Acupuntura e Tui Na. 

A palavra Chi Kung ou Qì Gong pode ser traduzida por “Trabalhar o Chi”, ou seja, é toda atividade, técnica ou treinamento que tem como objetivo cultivar o Qí, podendo ser entendida como uma técnica de auto-cura. Teve origem nos primórdios da civilização chinesa, está enraizado histórica e culturalmente ali, onde a busca pela saúde, equilíbrio e longevidade eram fortemente presentes.   O caractere Chi exprime um dos mais conhecidos e antigos conceitos da filosofia chinesa, mas aqui se refere ao Chi do Homem, que flui em seu sistema energético e que pode ser cuidado e significa energia vital.  O caractere Kung significa trabalho, obra, labor, desenvolvido pela habilidade, ou seja, é uma atividade que requer tempo, dedicação, disciplina e esforço, onde se busca aperfeiçoamento e o alcance da excelência em uma arte. Chi Kung é uma arte incrivelmente eficaz, mas se faz necessário o comprometimento do praticante. Segundo o conceito de Kung, o praticante deve ser ativo no seu processo de desenvolvimento onde a saúde é conquistada diariamente pelo cultivo de hábitos, disciplina e esforço pessoal. Como técnica, trata-se de exercícios corporais que objetivam promover a saúde, reduzir o estresse, fortalecer o corpo, a mente e prevenir ou curar enfermidades. Através de movimentos corporais coordenados à respiração e ao foco mental, estas práticas nutrem e fortalecem o organismo regulando o metabolismo, desenvolvendo a concentração e levando praticante a treinar e adquirir um estado mental de tranquilidade, o que de acordo com a MTC é o principal fator de saúde, pois a mente tranquila permite o livre fluxo de Chi e consequentemente mantem a capacidade intrínseca do corpo em obter saúde e vitalidade.

Neste estudo foi utilizado uma sequência tradicional de Qì Gong medicinal denominada Pa Tuan Chin (ou Ba Duan Jin), também conhecido como “As Oito Peças do Brocado”, cuja origem remonta ao período da dinastia Song, entre os anos de 960 e 1279.

Trata-se de uma sequência de oito exercícios que fortalecem e massageiam os órgãos, músculos e tendões, além de alongar e promover o desbloqueio e a circulação de energia nos meridianos, promovendo também um aumento da capacidade respiratória, fortalecimento de pernas e braços e melhora de problemas posturais. Tem como objetivo sanar deficiências físicas, tratar e prevenir doenças, fortalecer a mente, além de permitir tomar consciência corporal, emocional e da circulação energética. Não tem contraindicações e fácil de ser aprendida, é uma prática vigorosa e eficaz, podendo se tornar diária para a manutenção da saúde e prevenção de problemas de todo tipo, visto que podem ser realizados em pouco tempo e são excelentes para as pessoas que sofrem de estresse e possuem pouco tempo e espaço disponível. Quando bem orientada por um instrutor competente e se praticada com disciplina, em pouco tempo percebe-se um aumento da concentração, equilíbrio das emoções, aumento da serenidade e tranquilidade, sinais estes que para a medicina chinesa equivalem ao correto fluxo do Qí e à adequada nutrição do Shén (mente). Os benefícios da prática do Qi Gong e Tai Chi Chuan são conhecidos e difundidos em todo o mundo. Sabe-se que promovem a saúde e bem-estar, mas pesquisas cientificas são ainda escassas. Visando obter uma medição de tais benefícios de forma objetiva, foi utilizado o sistema Ryodoraku, que mede a resistência dérmica em determinados pontos e utiliza os valores como indicadores do estado do sistema nervoso simpático; processa esses dados estatisticamente, fornecendo em forma de gráfico os níveis de Qí de cada meridiano, além de fornecer também uma média geral da energia circulante naquele momento. As bases teóricas e filosóficas da Medicina Chinesa diferem da medicina ocidental e para a compreender é necessário estudar as principais teorias que compõem o pensamento médico chinês que estão condensadas nos seguintes conceitos: Yin e Yáng, Jing Luò (canais e colaterais), Zàng Fu (órgãos e vísceras), Wu Xíng (cinco movimentos), San Bao (três tesouros), Jing (Essência), Qì (energia) e Shén (mente).

Este estudo teve como único participante o próprio autor, por ter experiência na prática e formação profissional como Instrutor de Tai Chi Chuan e Chi Kung pelo Yang ChengFu Center de Ribeirão Preto-SP.  A coleta de dados foi realizada em dias consecutivos durante um mês, sempre no horário da manhã, referente ao elemento Terra do relógio biológico (7:00h as 11:00h) e seguiram a seguinte ordem: Repouso de quinze minutos, medição Ryodoraku, sequência de oito exercícios do Pa Tuan Chin, descanso de vinte minutos e segunda medição Ryodoraku.

Sequência dos exercícios Pa Tuan Chin, execução e benefícios:

 1º Exercício: Sustentar o Céu com as Mãos.

Execução: Inicia com os pés paralelos abertos na largura dos ombros, dedos das mãos entrelaçados à frente na altura do quadril com as palmas voltadas para cima. Em seguida inspirando eleva-se os braços fazendo movimento de rotação com as mãos alongando os braços em direção ao céu enquanto eleva-se os calcanhares. Em seguida expirando coloca-se os calcanhares no chão e inclina o corpo para a esquerda, ainda com os braços esticados acima da cabeça, retorna ao centro inspirando e em seguida expirando inclina-se para a direita. Por fim, inspirando retorna ao centro, separa-se as mãos abaixando os braços pela lateral e voltando à posição inicial. A sequência é repetida dez vezes.

Principais benefícios: Regula o fluxo de Chi no meridiano do Triplo Aquecedor (Sanjiao), regula o Chi dos órgãos e aumenta a circulação do Chi na parte frontal do corpo, promove alongamento, melhora a postura, fortalece os braços, realiza suave massagem no estômago e intestinos, melhora a flexibilidade da coluna vertebral, melhora a circulação do Chi pelos meridianos dos pés até as mãos, o que resulta em saúde geral.

2º Exercício: Esticar o arco para os dois lados.

Execução: Os pés se mantem afastados a uma largura maior que a dos ombros e os joelhos flexionados. As mãos iniciam a frente e ao centro na altura dos quadris com as palmas para cima e em seguida se elevam até a altura do peito inspirando, fecha-se uma mão enquanto a outra forma um símbolo de seta, em seguida prende-se a respiração e olhando para a mão em seta estende-se o braço como se puxasse um arco. Por fim expirando abre-se as mãos e fazendo um círculo com os braços volta-se a posição inicial. A próxima repetição é feita com a outra mão em seta e assim sucessivamente. Repete-se por doze vezes cada lado.

Principais benefícios: Aumenta a circulação de Chi na área dos rins, melhorando e equilibrando a funções desse órgão; fortalece os músculos da cintura que ajuda a sustentar a coluna aliviando a pressão nas vertebras; desenvolve os músculos da região lombar, escapular, ombros, braços e pernas; com a respiração profunda abre os pulmões e o peito, aumentando a capacidade respiratória e circulação sanguínea.

3º Exercício: Empurrar o Céu e a Terra.

Execução: Os pés se mantem paralelos na largura dos ombros. As mãos iniciam ao centro na altura do abdome, sendo uma palma voltada para cima e a outra para baixo, em seguida inspirando eleva-se a mão com a palma voltada para cima e abaixa a outra, fazendo um movimento como se estivesse separando o chão do teto. Em seguida, expirando, vira-se as duas mãos e as aproxima em direção ao abdome e num movimento constante, inspirando, a mão que descia “empurra” o chão e a que subia continua e “empurra” o teto. Dessa maneira o movimento de subida e descida das mãos é alternado, assim como a respiração. Repete-se dez vezes cada lado.

Principais benefícios: Regula, equilibra e aumenta a circulação de Chi no baço, estomago e no fígado, melhorando a digestão; estimula a circulação do Chi pelos meridianos dos braços desenvolvendo os tendões e músculos; melhora o movimento vertical do diafragma e aumenta a capacidade respiratória.

4º Exercício: Olhar para Trás à Direita e à Esquerda.

Execução: Os pés se mantem paralelos na largura dos ombros. Os braços ficam relaxados nas laterais ou coloca-se as mãos na região dos rins. Expirando vira-se a cabeça para o lado e em seguida olha-se para trás e para baixo; inspirando retorna a cabeça para frente. Os movimentos devem ser feitos sem muita tensão e força muscular. Executa-se vinte vezes cada lado.

Principais benefícios: As cinco fraquezas referem-se às doenças dos Zang (órgãos Yin) e as sete lesões referem-se às sete emoções (felicidade, raiva, tristeza, alegria, amor, ódio e desejo) que são tratadas ao se promover a melhor circulação de Chi e Xue para a cabeça. Proporciona equilíbrio emocional; fortalece músculos e tendões do pescoço; trata e previne dores no pescoço; alonga e relaxa músculos do peito, removendo a estagnação de Chi nessa região.

5º Exercício: Balançar a Cabeça e a Cauda.

Execução: Os pés se mantem afastados a uma largura maior que a dos ombros e os joelhos flexionados. Coloca-se as mãos nos joelhos com os polegares voltados para trás, as mãos exercem uma pressão para baixo. Muda-se o peso para uma das pernas ao mesmo tempo em que expira e girando a cintura olha para trás. Em seguida volta-se inspirando para a posição inicial e repete para o outro lado. A altura do corpo se mantém fixa durante todo o exercício e quando olhando para trás a cabeça e o pé de trás devem formar uma linha reta.  Executa-se dez vezes cada lado.

Principais benefícios: Dissipar a estagnação de Chi no peito, removendo o excesso de Yang do coração e eliminando o fogo; diminui a agitação mental, o estresse e a inquietude, regulando o estado psicológico do praticante; previne contra insônia, ansiedade e dores no peito; melhora a circulação sanguínea principalmente nas pernas; fortalece os músculos, tendões e ossos das pernas, prevenindo câimbras; desenvolve a flexibilidade da coluna vertebral, promovendo um giro rotacional das vertebras e ajudando no fortalecimento da coluna; aumenta a capacidade respiratória, melhora as trocas gasosas e oxigenação do sangue.

6º Exercício: Inclinar para Frente e Segurar os Pés.

Execução: Os pés se mantem paralelos na largura dos ombros. Com as palmas das mãos voltadas para cima à frente do quadril, inspirando eleva-se os braços, girando as mãos à frente do rosto e em seguida alongando os braços acima da cabeça, expirando, inclina-se o corpo para a frente e abaixando os braços; segura-se a ponta dos pés ou as pernas alongando a coluna e as pernas. Em seguida flexiona-se levemente os joelhos e sobe lentamente inspirando de maneira a desenrolar a coluna e as mãos sobem pelas laterais até a altura do peito, depois de levantar o corpo e as mãos, expira-se abaixando as mãos com as palmas paralelas ao chão.  Executa-se dez vezes.

Principais benefícios: Fortalece os rins e o Jing Original (essência); massageia os rins e aumenta o fluxo de Chi na região; fortalece o Yuan Chi e o sistema imunológico; aumenta a flexibilidade da coluna, cintura e quadril; previne dores na coluna; fortalece os músculos, tendões e ossos do tronco.

7º Exercício: Mover os Punhos em Espiral com Olhos Ferozes.

Execução: Os pés se mantem paralelos na distância do dobro da largura dos ombros e joelhos flexionados. A coluna ereta e as mãos fechadas nas laterais do corpo na altura dos quadris, com as palmas para cima. Expirando mude o peso para uma das pernas e estenda o braço contraio, girando o punho fazendo assim um soco giratório ao mesmo tempo em que olha para essa mão com olhos bem abertos. Retorna-se para a posição inicial inspirando e repete para o outro lado.  Executa-se dez vezes para cada lado.

Principais benefícios: O corpo e mente tornam-se saudáveis e o espírito se eleva; fortalecimento dos músculos, tendões e ossos da perna e dos braços; aumento do Chi e força muscular, proporcionando vitalidade; eliminação de estagnações do Chi nos braços e pernas.

8º Exercício: Estender-se para o Céu.

Execução: Os pés se mantem paralelos na largura dos ombros. Os braços relaxados nas laterais do corpo. Eleva-se, inspirando, o corpo na ponta dos pés alongando o máximo possível, elevando o topo da cabeça em direção ao céu e retirando os calcanhares do chão. Expirando relaxa e coloca-se os pés no chão.  Executa-se de dez a vinte vezes.

Principais benefícios: Estimula o fluxo pelos seis meridianos das pernas; ativa o Chi e melhora a circulação em todo o corpo; fortalece os músculos das pernas; alonga tendões e ligamentos; melhora a postura e equilíbrio; proporciona serenidade mental e equilíbrio emocional.

Resultados: O estudo mostrou de maneira simples e objetiva como se apresentam os efeitos benéficos da prática de Chi Kung no fluxo de Qì, ao fornecer em forma de gráficos algo que só se mede pelo relato subjetivo do praticante. As hipóteses para o presente estudo seria que a prática do Chi Kung eleva o nível médio de energia circulante e proporciona o livre fluxo do Qì pelos canais, baseando-nos pela teoria e relatos da literatura. Com os resultados ficou comprovado que os níveis médios de energia circulante aumentam em caso de deficiência e diminuem em caso de excesso causando imediata sensação de bem-estar no participante. Na avaliação do gráfico de RYODORAKU, o fato da linha média ter mantido um aumento entre os dias consecutivos nos indica que realmente o sistema energético está sendo melhor nutrido e o corpo dispõe cada vez mais de energia para se manter, defender e armazenar. Compreende-se melhor a importância das práticas corporais na medicina chinesa, visto que a acupuntura visa principalmente mover o chi, e sendo assim, se torna menos eficaz se a nutrição é escassa. Tais resultados são ainda singelos frente à grande possibilidade que o tema apresenta, mas demonstrou-se que o efeito benéfico da prática de chi kung é real desde o nível mais básico e inferiu-se que é cumulativo, ou seja, proporcional à quantidade e qualidade da prática, o que depende das condições e motivação de cada um.

Os resultados obtidos mostram que os níveis médios de energia circulante aumentam sempre, confirmando a hipótese e demonstrando objetivamente a teoria e os relatos sobre os efeitos benéficos dessa prática para a saúde. O aumento do nível médio de energia para um nível adequado (entre 40 e 60) significa que o organismo fisiologicamente e energeticamente ficou mais ativo quando antes em deficiência, ou se regulou quando antes em excesso e pode realizar suas funções físicas e mentais com mais eficiência, equilíbrio e com melhor nutrição e distribuição energética.  Os resultados objetivos registrados pelos gráficos (fig.01 ) estão de acordo também com o relato subjetivo do participante, que referia quadro de cansaço, desanimo, falta de motivação, cefaleias e irritabilidade ocasionais durante os meses antes do início das práticas. Após todas as sessões de pratica o relato subjetivo era de grande melhora na disposição, sensação de leveza e tranquilidade que perdurava durante o dia.  Um estudo mais amplo, com mais tempo e mais participantes se faz necessário para testar os efeitos a médio prazo, lembrando a recomendação dos mestres de um mínimo de 100 dias de pratica para se obter os melhores resultados.

2019, noticias, editor,
2019

Deixe seu Recado