Pós-Graduação em Acupuntura

O mais completo do Brasil

Imprensa

Quarta-feira, 09 de Setembro de 2020 - 09:23

Análise Comparativa do uso de Stiper Combinado com Acupuntura no Tratamento da Fibromialgia

Baseado no TCC do aluno Luis Gustavo Pelusch

INTRODUÇÃO

A fibromialgia é uma síndrome reumática caracterizada principalmente por dores crônicas intensas e alterações emocionais, dentre outros sinais e sintomas. Segundo a medicina ocidental moderna, sua etiologia é desconhecida, ou seja, não há uma causa definida. Atinge em sua maioria mulheres entre 40 e 55 anos, embora haja casos relatados dessa síndrome atingindo pessoas fora dessa faixa etária. (DAMASCO E PETITO,2016)

Apesar de atingir um percentual pequeno da população em geral, trata-se de uma síndrome com potencial de incapacitar a pessoa acometida por ela, devido aos sintomas interferirem intensamente na rotina do paciente, por vezes até impedindo a pessoa de trabalhar e conviver socialmente (OLIVEIRA et al, 2014).

O diagnóstico da fibromialgia geralmente é feito quando se descarta outras hipóteses mediante exames, já que não possui uma causa clara, o que dificulta o diagnóstico. O tratamento para fibromialgia consiste geralmente de antidepressivos, em dosagem reduzida, e exercícios de baixo impacto (WERNER, 2005; ARAÚJO, 2007;)

Stival et al (2014) destacam que a dor característica da síndrome apresenta habitualmente intensificação após uma atividade física, bem como a exposição ao frio e à umidade também contribuem para a exacerbação da dor. Damasco e Petito (2016) ainda incluem dor migratória, rigidez muscular, edema, articulações quentes e vermelhas e deformidades ósseas.

O quadro, de forma geral, acaba comprometendo a vida do paciente em todos os aspectos, como o aspecto social, emocional e psíquico (DAMASCO E PETITO, 2016; MAIA, 2013).

Stival et al. (2014) afirmam que os tratamentos para a fibromialgia têm eficácia apenas parcial e visam somente amenizar os sintomas, já que a cura, até o presente momento, é elusiva.

A visão da Medicina Tradicional Chinesa:

Na visão da MTC, a fibromialgia é considerada uma ‘síndrome de obstrução dolorosa’, ou ‘síndrome bi’. Esse tipo de síndrome ocorre quando há um bloqueio no fluxo de Qi e/ou sangue no local afetado, havendo tanto fatores externos quanto internos causadores da síndrome. Normalmente um fator externo é a causa inicial da síndrome bi, porém fatores internos contribuem para a instalação da mesma. Dentre esses fatores pode-se citar a exposição prolongada a vento, calor ou frio, traumatismos, repetição constante de movimentos ou exercício físico excessivo, sentimentos de raiva e tristeza (DAMASCO E PETITO, 2016)

No caso da fibromialgia, Nunes (2017) diz que os órgãos afetados pela síndrome são fígado, rim e baço-pâncreas, sendo que o fígado é acometido de estagnação de Qi, enquanto baço e rim sofrem de deficiência, enquanto os fatores externos principais são vento, umidade e frio.

Dessa forma, o tratamento da fibromialgia seguindo a MTC consiste em fazer o Qi do fígado mover-se, fortalecer baço-pâncreas e rim, e eliminar os fatores patogênicos instalados.

Segundo Maciocia (2017), os fatores patogênicos vento, umidade e frio provocam os seguintes sintomas, conforme o local afetado.

Os desequilíbrios energéticos característicos da fibromialgia, além dos citados anteriormente, incluem o distúrbio do Shen, uma vez que uma das funções do fígado, segundo a MTC, é armazenar sangue, o qual é necessário para o bom funcionamento do coração na sua função de abrigar o Shen.

A MTC entende, da mesma forma que a medicina ocidental, que o coração é responsável pela circulação do sangue pelo corpo, e o fígado, na sua função de armazenar sangue, regula o volume sanguíneo circulante. A MTC ainda diz que há uma relação de dependência mútua entre as funções do coração de governar o sangue e abrigar o Shen, pois o sangue enraíza, abarca e ancora o Shen; por outro lado, o Shen, quando abalado, causa deficiência de sangue no coração. (MACIOCIA, 2017).

OBJETIVOS

O objetivo deste estudo é analisar o comportamento sintomático da fibromialgia diante do tratamento com acupuntura e com stiper e, a partir dos resultados, verificar a eficácia do stiper em comparação com o método com agulhas no tratamento desta síndrome.

MATERIAIS E MÉTODOS

Para o estudo de caso foi selecionado uma paciente do sexo feminino, professora, casada, 35 anos. Sua queixa principal é fibromialgia, sendo a secundária ansiedade. Relata que desde a infância sofre de dores nas regiões dorsal e cervical. Entre os sintomas apresentados, estão dor generalizada, sendo mais intensa na região do pescoço, que melhora com calor e exercícios, dor nas têmporas e no fundo do olho, sensação de frio, principalmente nas mãos e pés, que aumenta à noite, ausência de transpiração, e ansiedade. Bebe em torno de 1,5 litro de água por dia, tendo preferência por bebidas quentes.

Para o tratamento, foi determinado um número total de 10 sessões semanais, divididas em duas fases. Na primeira fase, além do tratamento com acupuntura, foi usado o stiper para tratamento contínuo entre as sessões, enquanto na segunda foi usado apenas o stiper, em todos os pontos.

Os pontos de acupuntura usados foram C7, PC6, IG4, E36, BP6, F3 e VB21, todos bilateralmente. Para o uso do stiper na primeira fase foram usados F3 e VB21, em conjunto com a acupuntura. Na primeira fase foram usadas agulhas de tamanho 0.20x15mm, puncionadas em posição de harmonização, ou seja, perpendiculares à superfície.

Para a mensuração da progressão do tratamento foi usado o questionário QIF – Questionário de Impacto da Fibromialgia – constituindo de 11 perguntas relacionando atividades do dia-a-dia com o estado de saúde do paciente.

Feito o diagnóstico energético, constatou-se a invasão de vento e frio, estagnação de Qi no fígado, deficiência de Qi no baço-pâncreas, e distúrbio no Shen.

Segundo a MTC, o fígado tem como principal função energética promover o livre fluxo de Qi em todas as direções. O baço-pâncreas é responsável por transformar e transportar os fluidos corporais, enquanto o coração abriga o Shen.

Os pontos F3 e VB21 receberam tratamento com stiper já na primeira fase porque, seguindo o diagnóstico energético, a estagnação de Qi no fígado causada pelos fatores externos provavelmente foi o que desencadeou as outras síndromes energéticas, a saber a deficiência de Qi no baço-pâncreas e o distúrbio do Shen, e a região dos ombros e pescoço era onde a paciente relatava maior dor.

DISCUSSÃO

O objetivo deste estudo foi verificar a eficácia do stiper, enquanto alternativa à acupuntura, no tratamento da fibromialgia.

Takiguchi et al (2008), em um estudo com 12 pacientes divididas em dois grupos, em que um grupo recebeu acupuntura usando-se pontos de acupuntura tradicionais da MTC, enquanto o outro grupo recebeu acupuntura nos tender points. Ambos os grupos apresentaram melhoras significativas, sendo que o grupo que recebeu acupuntura com os pontos tradicionais apresentou maior melhora na qualidade do sono, enquanto o grupo que recebeu acupuntura nos tender points apresentou maior melhora no quadro de dor.

Maia (2013) realizou um estudo com 60 pacientes divididos em três grupos de vinte pessoas, onde o primeiro recebeu tratamento com acupuntura, o segundo recebeu tratamento com o método Rolfing, e o terceiro recebeu tratamento com ambas as técnicas, sendo que todos mantiveram o tratamento medicamentoso pré-estabelecido. Os três grupos apresentaram melhoras significativas no quadro clínico. A associação de acupuntura e Rolfing mostrou-se mais efetiva do que a acupuntura isoladamente.

Martínez (2012), em uma revisão de literatura, concluiu que a acupuntura dentro de um tratamento multidisciplinar pode gerar resultados positivos no tratamento da fibromialgia.

Sanita (2013) realizou uma revisão literária usando materiais extraídos de bases de dados, os quais apontam que a acupuntura pode ser eficaz no tratamento da fibromialgia, tanto inserida num tratamento multidisciplinar quanto num contexto de uso exclusivo da medicina tradicional chinesa, porém aponta para a necessidade de novas pesquisas.

Mendonça (2006), num estudo feito com mulheres portadoras de fibromialgia, afirma que as voluntárias relataram exacerbação do quadro quando expostas a situação de alteração emocional intensa, eventos estressantes e alterações climáticas. Relataram também que a depressão era causada pela dor, falta de objetividade dos tratamentos e incredibilidade das pessoas quanto à veracidade da doença. A autora ainda diz que houve melhora nos quadros de dor a partir da primeira semana do estudo, apontando diminuição rápida da dor.

Burigo e Silvério-Lopes (2010) compararam os efeitos do stiper com a acupuntura em pacientes com lombalgia crônica, num estudo com 30 voluntários, concluindo que o stiper tem eficácia semelhante à acupuntura com agulhas.

Vectore e Alves (2013) realizaram estudo em crianças com sintomatologia de stress usando-se o stiper nos pontos de acupuntura sistêmica e esferas de cristal no pavilhão auricular, relatando melhoras significativas nas mesmas. As crianças, de modo geral, apresentaram-se mais calmas e com menos manifestações de sintomas de stress, como roer unhas, inquietação, insônia e medo.

Ao final do estudo de caso constatou-se que a paciente apresentou uma considerável melhora no quadro clínico durante a primeira fase, na qual foram utilizadas as agulhas juntamente com o stiper, enquanto que nas primeiras sessões da segunda fase apresentou um discreto retrocesso no quadro clinico, o qual foi atribuído pela paciente ao estresse do trabalho juntamente com a aparição de patologias na família. Porém, uma vez normalizadas as circunstâncias, houve novamente melhora no quadro.

Durante toda a segunda fase a paciente relatou que os stipers fixados na região das mãos caíram num intervalo de tempo mais curto do que nas regiões dos ombros e membros inferiores, o que indica a pouca viabilidade deste recurso para uso em pontos na região das mãos.

Até a conclusão deste trabalho não houve constatação de qualquer outro estudo disponível em língua portuguesa no qual foi analisado tratamento da fibromialgia com stiper, o que leva a acreditar ser este inédito.

CONCLUSÃO

Comparado às agulhas, o estímulo com stiper mostrou-se menos intenso, porém com pouca diferença, considerando que coincidentemente com a mudança de fase do estudo houve outros incidentes alheios ao mesmo, os quais interferiram no progresso do quadro clínico.

O uso do stiper em pontos localizados na região das mãos mostrou-se pouco viável, o mesmo não permanecendo fixado pelo mesmo período em relação às outras regiões onde foi usado, sendo necessária reposição constante, possivelmente até diária.

Feitas estas ressalvas, o stiper mostrou-se uma alternativa viável para o tratamento da fibromialgia para pacientes que não queiram submeter-se à acupuntura com agulhas, devendo as mesmas ser informadas aos pacientes, ou então buscar outras opções, como o uso de outros pontos, a fim de contornar incidentes que possam dificultar o tratamento. Porém, deve-se destacar a necessidade de mais estudos realizados em território nacional sobre este recurso como alternativa para o tratamento da fibromialgia.

Autora do artigo: Profa. Ma. Luciana Mendes Vinagre

Deixe seu Recado
Receba Informações