Imprensa

Terça-feira, 17 de Abril de 2018 - 10:18 - Atualizado em 17/04/2018 10:34

A raiva é a filha do medo: Uma compreensão sob o olhar da Medicina Chinesa - Estudo de caso

Artigo baseado no TCC de pós-graduação em Acupuntura CETN – LIBERTAS, da aluna Valeria N. Fiori.

Para a Medicina Chinesa, o aspecto emocional de um determinado problema fisiológico assume grande importância para a escolha da melhor linha de tratamento. A maioria dos distúrbios com os quais os psicólogos lidam atualmente, já eram conhecidos pelos chineses há milênios. A Medicina Chinesa ensina que antes do distúrbio manifestar-se em nosso organismo, há uma ruptura no fluxo de energia, quase sempre causado por desequilíbrios emocionais.

Existe uma relação dos órgãos internos com as emoções, ilustrando a unidade de corpo e mente na MTC. O Qi que é a base material para todos os processos fisiológicos, é também o Qi para o processo mental e emocional. Na medicina ocidental, todos os processos mentais e emocionais, são atribuídos ao cérebro, que está no topo da pirâmide de mente-corpo, com os centros autônomos do córtex do cérebro. A relação entre corpo e mente é mútua na medicina chinesa. O estado de um órgão afetará as emoções e as emoções afetarão o estado de um órgão. O Coração relaciona-se à Alegria, o Baço ao Pensamento e Preocupação, o Pulmão à Tristeza, o Fígado à Raiva e o Rim ao Medo. As emoções podem ser entendidas como uma causa de desequilíbrio, quando em excesso e por longo tempo. Através do tratamento de um determinado órgão, pode-se influenciar na emoção associada a ele, promovendo um equilíbrio emocional ao paciente.

Como se relacionam: RAIVA E MEDO

O Elemento Água está relacionado ao armazenamento e conservação da energia. Se a energia armazenada se extinguir, o indivíduo poderá ficar sem força, ocasionando uma redução nas reações emocionais, visto que, não há Qi suficiente para manter as emoções estáveis e um comportamento flexível. A energia armazenada nos Rins, relaciona-se com a vontade, iniciativa e ambição. Quando a energia e a vontade estiverem associadas com insegurança profunda e medo, o indivíduo pode ver o mundo como ameaçador e se tornar obcecado por ter poder e controle sobre todas as coisas (ROSS, 2003). Distúrbios como Medo, podem ser tratados através da Acupuntura, com resultados bastante satisfatórios, visto que, pode-se aumentar através de pontos pré-selecionados, a energia do Rim (CAMPIGLIA,2004).

O Elemento Madeira está relacionado com a capacidade de planejar e tomar decisões, além disso o Fígado é o órgão que regula o livre fluxo das emoções. De acordo com a Medicina Chinesa, o Fígado só está completamente desenvolvido por volta dos 7 anos. Antes dessa idade a criança, ainda é muito frágil, necessitando constantemente dos cuidados de um adulto para poder manter o foco, o contato consigo mesma e com a realidade externa. De certa forma, toda a primeira infância é extremamente importante para o bom desenvolvimento da Madeira. Muitos indivíduos do tipo Madeira, sentem-se como uma energia interna os pressionasse, fazendo com que fiquem impacientes, irritados, mal-humorados, quando as coisas não acompanham seu ritmo acelerado (ROSS, 2003). As desarmonias no elemento Madeira podem gerar agressividade patológica, visto que a Raiva é a emoção do Fígado, e quando ele está desequilibrado, a Raiva também pode ser expressa de maneira destrutiva. O maior determinante social de agressividade é a frustração. A frustração é um dos principais fatores de adoecimento do Fígado. Nem sempre as pessoas frustradas reagem com agressividade, podem reagir de outras formas como a resignação, a depressão reativa e até o desespero.

No que diz respeito a relação entre Madeira e Água, observa-se no ciclo de geração que a Madeira é produzida pela Água, e depende, portanto, de seu elemento gerador. Logo um bebê, com baixa energia dos Rins, terá dificuldade em manter sua estrutura psíquica e coesão do Ego, desenvolvendo possivelmente problemas ligados à Madeira (CAMPIGLIA,2004).

Os benefícios da acupuntura vão além da abordagem emocional, atuando na regulação das funções do corpo. Manifestações físicas como insônia, falta de ar, palpitações, dores e tensões pelo corpo, também são tratadas devido ao seu efeito analgésico, relaxante muscular e regulador do sono. O grande diferencial da Medicina Tradicional Chinesa é considerar o ser humano como um todo, ou seja, o tratamento sempre se baseia na recuperação do equilíbrio energético do paciente e não apenas na doença que o está acometendo. Os procedimentos, a escolha das técnicas e dos pontos a serem utilizados são individuais e únicos. A acupuntura pode ser associada aos tratamentos médicos tradicionais, trazendo apenas benefícios.

Estudo de caso: Menino de sete anos. Queixa Principal:  Medo para dormir e ficar em ambientes sozinho. Acorda durante a noite entre 1h e 3h da manhã e vai para a cama dos pais ou do irmão relatando medo indefinido (na maioria das vezes não lembra quando acorda). Seus medos são relacionados a fantasia na grande maioria (como monstros e personagens de desenhos e filmes). Possui em menor quantidade, alguns medos de coisas reais (bichos, ladrão, etc). Tem o sono bastante agitado. Mexe muito as pernas e acorda algumas vezes a noite. Percebe-se certo sonambulismo por não lembrar quando acorda. Apresenta também bruxismo (ranger de dentes) durante o sono. Queixas Secundárias: Durante o dia, apresenta muita irritabilidade, nervosismo e mau humor, principalmente quando contrariado. Costuma se comunicar num tom de voz alto. Até por volta dos 5 anos ainda era comum algum escape de urina durante o sono. Atualmente, esses escapes ainda acontecem, porém com menos frequência. Apresentou também algumas dificuldades na escola, no aspecto social, por não obedecer as regras e estar sempre disperso, porém nunca foi uma criança agressiva. Nesta mesma época, desenvolveu fobia escolar, não conseguia ir para a escola e separar-se da figura materna. Iniciou tratamento com terapia comportamental, por 12 meses. Conseguiu superar a angústia de separação em relação a mãe e voltou a frequentar a escola e outras atividades. No seu aspecto cognitivo, não apresenta dificuldades de aprendizagem, porém tem algumas dificuldades devido a dispersão na sala de aula e obediência de regras.

Para o Diagnóstico Energético deste caso, levou-se em consideração principalmente, a Teoria dos Cinco Elementos. As manifestações emocionais, especialmente o estado de irritabilidade permanente, sugerem um quadro de excesso em Madeira, tendo como consequências:

- Elemento Madeira em excesso, causa um excesso no elemento Fogo. Mãe supergera o Filho.

- Elemento Madeira em excesso, supercontrola o elemento Terra, deixando-o deficiente. Avó supercontrola o neto.

- Elemento Madeira em excesso, retira energia do elemento Água, deixando-o deficiente.

Proposta Terapêutica: foi escolhida a técnica de SHU Antigo, que permite sua ação energética nos 5 Elementos, mantendo o equilíbrio dos princípios de geração, dominância e de contra- dominância. Técnica clássica dos dois pontos puncionados bilateralmente e permanecendo por 20 minutos.         

Os pontos SHU Antigos e Técnica de utilização foram:

CICLO DE GERAÇÃO (SHEN): Tonificar R7 e P8 (bilateral) para tonificar Rim.

CLICLO DE CONTROLE (KO): Tonificar F4 e P8 (bilateral) para sedar Fígado.

Foram realizadas 10 sessões, em todas as sessões houve colaboração do paciente. Foram utilizados todos os três pontos (F4, R7 e P8) escolhidos bilateralmente em todas as sessões.

A partir da quarta sessão observou-se uma melhora importante no aspecto da irritabilidade e impaciência. Tal melhora apresentou-se crescente nas sessões posteriores. No final da décima sessão, pode- se dizer que a melhora do humor, irritabilidade, impaciência e raiva estão quase que totalmente controlados aparecendo em intensidade bem reduzida e em situações extremas. Observa-se um auto- controle muito significativo da criança, mostrando-se mais madura e com capacidade de resolver suas insatisfações com diálogo e paciência. Quanto a questão do medo, observou-se uma discreta melhora do quadro. A criança ainda tem dificuldades em dormir o tempo todo em seu quarto e levanta ainda algumas vezes no meio da noite, mas volta a dormir com ajuda dos pais.  Sente insegurança no momento de dormir, porém de um modo geral, consegue enfrentar e se posicionar positivamente frente a situações que antes lhe causavam medo. Os resultados nesse aspecto, foram um pouco limitados, pois as alterações são mais profundas e comprometem outras áreas de pesquisa não abordadas neste estudo.

O presente estudo mostra-se positivo com relação a queixa secundária e mostra que o primeiro passo da proposta terapêutica foi alcançado com sucesso (Sedação do Elemento Madeira) e que com algumas adaptações na escolha dos pontos ou com a continuidade das sessões nesses mesmos pontos, pode-se posteriormente atingir resultados satisfatórios também quanto ao Elemento Água.

No caso do tratamento em questão, esse restabelecimento gradual pôde ser notado a partir do relato dos pais do paciente. Foi aconselhado que mantivessem uma regularidade das sessões de acupuntura após o tratamento inicial, visto que o tratamento basicamente realizou a diminuição da intensidade dos sintomas apresentados, não podendo ser atribuída uma cura definitiva.

Escrito por Carla Ceppo

Deixe seu Recado