Imprensa

Terça-feira, 27 de Março de 2018 - 11:25 - Atualizado em 27/03/2018 11:45

A eficácia da acupuntura na qualidade de vida na terceira idade

Artigo baseado no TCC dos alunos: CARLA FERRETE VENTURINI; CHARLENE CRISTINA BRANCO e DAYENY PRISCILA CARDOSO.

A população brasileira idosa vem apresentando grande aumento nas últimas décadas, tendo como principais causas a diminuição da taxa de natalidade e mortalidade. Esse aumento da expectativa de vida, traz a necessidade de estudos e pesquisas em relação à qualidade de vida na terceira idade.

O termo qualidade de vida não é de fácil conceituação, sendo que existem várias definições variando de autor para autor. Segundo Maués et. al. uma das definições mais abrangentes é a da Organização Mundial da Saúde (OMS), considerando três aspectos fundamentais: a subjetividade, a multidimensionalidade (inclui as dimensões física, psicológica e social) e a bipolaridade (presença de dimensões positivas e negativas).

Ampliar a quantidade de anos vividos sem qualidade não é suficiente, são necessários investimentos para que o aumento da expectativa de vida seja acompanhando por melhorias das condições, de maneira que se possa desfrutar de uma velhice ativa e saudável pelo período de tempo mais longo possível.

Para a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), saúde é o estado de harmonia do organismo. E para manter a saúde é recomendado ter equilíbrio entre atividade e repouso; evitar excessos de qualquer espécie (alimentos, bebidas, trabalho, sexo); praticar exercícios físicos; manter uma postura positiva perante a vida; adaptar-se às mudanças climáticas. Pode-se afirmar assim que a MTC assume o indivíduo como um todo unificado, indivisível e integrado ao ambiente.

A Acupuntura Sistêmica é uma das técnicas utilizadas na Medicina Tradicional Chinesa, e parte da concepção do ser humano como ser integral, sem barreiras entre mente, corpo e espírito. Tanto no Oriente quanto no Ocidente encontram-se estudos que comprovam a efetividade da Acupuntura na melhora da qualidade de vida e em diversos quadros biopsicoemocionais.

Objetivo e Metodologia:

O objetivo do presente estudo foi avaliar, em pacientes da Terceira Idade, as contribuições da Acupuntura para a melhora da qualidade de vida no envelhecimento ativo. Foram selecionados seis voluntários que realizaram uma sessão semanal, ao longo de 10 semanas de tratamento.

As técnicas definidas, buscaram dar suporte tanto para compreender a dinâmica inicial da população atendida, quanto para efetivamente incrementar melhora na Qualidade de Vida dos mesmos. Optou-se pelo questionário WHOQOL que é constituído de 26 perguntas, das quais as perguntas número 1 e 2 referem-se à qualidade de vida geral. As respostas seguem uma escala de Likert (de 1 a 5, quanto maior a pontuação melhor a qualidade de vida). Excluindo-se as questões 1 e 2, o instrumento apresenta 24 facetas às quais compõem 4 aspectos importantes: Físico, Psicológico, Relações Sociais e Meio Ambiente.

A seleção dos pontos de acupuntura, foi baseada na teoria da Medicina Tradicional Chinesa, visando o reequilíbrio das energias Yin e Yang. Considerando, que cada ponto possui uma ação energética que está relacionada diretamente a uma Substância Fundamental, Zang Fu ou eliminação de XieQi. Dessa forma, estabeleceu-se o seguinte padrão:

B23 – ponto Shu Dorsal do Rim: a palavra Shu significa “transportar”, indica que os pontos transportam o Qi ao órgão interno correspondente (MACIOCIA, 2007b). Os Rins são o local de armazenamento da essência vital (Jing), uma substância sutil responsável pelo crescimento, desenvolvimento, reprodução e fertilidade. São a fonte do Qi pré-celestial, que é herdado dos pais e interpretado como a constituição inata de uma pessoa. Em última análise, a saúde e força dos rins é o fator determinante mais importante na vitalidade duradoura de uma pessoa e em sua longevidade.

R7 – ponto Jing: beneficia o Rim, abre e regula a via das águas. Os Rins controlam o metabolismo da água. O equilíbrio do Yin e do Yang nos Rins determina a eficiência do metabolismo da água no corpo. 

VC4 – ponto Mu do Intestino Delgado (Portão da Origem): Efeito tônico geral e reforço do Qi; reforça e aumenta o Yuan Qi (Qi pré-celestial); fortalece o Yang Qi; nutre, tonifica e estabiliza o Qi do Rim. Esse ponto é também o ponto de reunião dos três Canais de Energia Yin do Pé (Baço/Pâncreas, Rins, Fígado).

IG11 – ponto de tonificação geral: regula circulação do Qi e do Sangue nos Canais de Energia; harmoniza a Energia Essencial e o Sangue; fortalece tendões e as articulações; elimina síndrome exterior; regula o Qi do Pulmão; regula o Qi Nutritivo e defensivo.

E36 – ponto de tonificação: É o ponto mais importante para tonificação de Qi e Xue, e tonifica o Qi pós-celestial (do Estômago e Baço/Pâncreas). Apesar de se encontrar no meridiano do estomago ele tonifica intensamente o Qi do Baço. Fortalece a mente e o corpo de pessoas muito debilitadas quando se encontram em estado crônico, incrementando a energia do Wei Qi para evitar invasões de Xie Qi no organismo. Quando se utiliza de forma preventiva a aplicação de moxabustão é amplamente indicada.

RESULTADOS: Na análise comparativa entre a aplicação inicial e a reaplicação ao final do tratamento, é possível perceber a melhora em todas as facetas de domínios (Físico, Relações Sociais e Meio Ambiente), exceto no domínio Psicológico. Assim, percebe se um aumento sutil de 6,25% no total geral da percepção sobre a qualidade de vida dos indivíduos avaliados.

2018, artigos, editor,
Grafico

CONCLUSÃO:

Em face aos resultados obtidos, através da coleta de dados realizada, concluiu-se positiva e eficaz a utilização da acupuntura e moxabustão no alcance da melhora da qualidade de vida na terceira idade. Verificou-se a possibilidade de, através de seus recursos, técnicas e fundamentos, instituir a Medicina Tradicional Chinesa como tratamento não mais alternativo, mas de primeira escolha. Com base no resultado, sugere-se que, na implementação de ações que objetivem melhorar a qualidade de vida do idoso, sejam consideradas as magnitudes e as diferenças de cada um sobre o que eles mesmos valorizam na busca do bem-estar na terceira idade.

Autora: Carla Ceppo

Deixe seu Recado